Terapia Morfoanalítica atinge equilíbrio físico e emocional

Ter um horário marcado com alguém que ouça e encontre caminhos para aliviar as tensões e os traumas vividos, ou até mesmo uma sessão de massagem corporal tornou-se uma necessidade, principalmente para quem mora em grandes capitais como São Paulo. Mas, e quando essas duas terapias se unem e estendem ao conhecimento do próprio corpo? É o que acontece na Terapia Morfoanalítica, um novo conceito de tratamento onde o corpo e a mente são cuidados no mesmo universo analítico.

A morfoanálise – como é mais conhecida – foi criada pelo fisioterapeuta francês Serge Peyrot, quando ele percebeu em seus pacientes mudanças no comportamento afetivo e emocional após tratamentos realizados para problemas posturais. Foram anos de estudos na França, em parceria com outros pesquisadores interessados no tema, como Pierre Mignard, que resultaram em 1985, no Brasil, no primeiro grupo formado sob a coordenação de Peyrot.

TÉCNICAS APLICADAS

O princípio da Terapia Morfoanalítica é de que o corpo e a mente se completam e influenciam um ao outro, por isso não podem ser analisados separadamente. “O corpo é o caminho mais natural para reencontrar a unidade e a energia de vida que existe em cada um de nós”, afirma Peyrot. Partindo desse princípio, além da verbalização e análise do conteúdo emocional das tensões, são utilizadas técnicas de reajustamento postural, respiração e massagem profunda, conjuntamente com a sessão de terapia analítica, de acordo com a necessidade de cada paciente.

O toque tem um importante papel no tratamento morfoanalítico. A pele é considerada como o sistema nervoso externo, pois atua na regulação térmica, excreção de suor e eletrólitos, secreção sebácea para lubrificação, síntese da vitamina D, órgão sensorial e tem importante papel na estética das pessoas. Por isso, o toque feito de forma profissional, com respeito e no ritmo do paciente, estabelece um nível profundo de comunicação indispensável para a eficácia do tratamento.

A morfoanálise tem várias indicações, para a busca de reequilíbrio corporal, emocional e auto-conhecimento, atuando como coadjuvante no tratamento de quadros de dores agudas e/ou crônicas relacionadas com o sistema muscular, como artrites, tendinites, fibromialgias, hérnias; distúrbios de ordem postural como escolioses e lordoses; casos de stress, tensões, angústias e estados depressivos, entre outros sintomas, podendo agir para o fortalecimento emocional em situações de crise. O atendimento é feito através de sessões individuais de terapia morfoanalítica, em média uma vez por semana, com duração de uma hora.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TERAPEUTAS MORFOANALISTAS

Fundada em 2002, como reconhecimento dos excelentes resultados obtidos e com o objetivo de propagação a reflexão em torno do tema, a associação visa atuar como fórum de discussão para os morfoanalistas associados sobre as experiências vividas nas sessões de tratamento. Os estudos desse novo conceito de terapia continuam evoluindo graças ao aperfeiçoamento científico de terapeutas morfoanalistas não só no Brasil, como também na França, Espanha e Suíça. A formação de terapeutas morfoanalistas exige no mínimo quatro anos de estudos teóricos anátomo-bio-fisiológicos, psicológicos, práticas psicocorporais morfoanalíticas e é voltado a profissionais da área de saúde.